Do adam philips

“A vulnerabilidade marca todos os contratos, também os amorosos; ninguém escapa ao acaso, porque o futuro não está ao alcance para ser reprimido ou manobrado. Porém, muitos contratos amorosos ajudam à ilusão de que podemos impedir antecipadamente as inevitáveis incertezas do desenrolar do tempo. Ora, o flirt é justamente a disposição contrária. "Renúncia ao tormento do irremediável que está presente no compromisso" é uma definição possível de flirt; outra será "disponibilidade para diversas fidelidades". Ao renunciar ao compromisso, o flirt aceita a imprevisibilidade da vida e vive na excitação constante que a incerteza traz consigo.”

Sergei

"If your plan is for one year plant rice. If your plan is for ten years plant trees. If your plan is for one hundred years educate children. "

Confucius 

“Onde há orgulho, haverá ignorância; mas onde há humildade, haverá sabedoria” 

-Salomón-
“Se você quer saber para onde vai, descubra primeiro do que está fugindo.”

-Alejandro Jodorowsky-

SOPHIA DE MELLO BREYNER - AÇORES


Açores
Há um intenso orgulho
Na palavra Açor
E em redor das ilhas
O mar é maior
Como num convés
Respiro amplidão
No ar brilha a luz
Da navegação
Mas este convés
É de terra escura
É de lés a lés
Prado agricultura
É terra lavrada
Por navegadores
E os que no mar pescam
São agricultores
Por isso há nos homens
Aprumo de proa
E não sei que sonho
Em cada pessoa
As casas são brancas
Em luz de pintor
Quem pintou as barras
Afinou a cor
Aqui o antigo
Tem o limpo do novo
É o mar que traz
Do largo o renovo
E como num convés
De intensa limpeza
Há no ar um brilho
De bruma e clareza
É convés lavrado
Em plena amplidão
É o mar que traz
As ilhas na mão
Buscámos no mundo
Mar e maravilhas
Deslumbradamente
Surgiram nove ilhas
E foi na Terceira
Com o mar à proa
Que nasceu a mãe
Do poeta Pessoa
Em cujo poema
Respiro amplidão
E me cerca a luz
Da navegação
Em cujo poema
Como num convés
A limpeza extrema
Luz de lés a lés
Poema onde está
A palavra pura
De um povo cindido
Por tanta aventura
Poema onde está
A palavra extrema
Que une e reconhece
Pois só no poema
Um povo amanhece"

de Paulo Borges

"Terrorismo? Horror? Não há terrorismo nem horror maior que o da cultura social dominante que te leva a crer que és um eu isolado, vulnerável e carente, separado dos outros, do cosmos e do infinito, quando na verdade não tens princípio nem fim, és vasto e luminoso como o céu aberto e omniabrangente e omnipresente como o espaço que a tudo abarca e impregna. Não há terror nem horror maior que a ignorância.  

P.S. – Se achas estranho dizerem-te que és isto, vê bem se encontras e onde está o “eu” limitado, separado e independente que tu e os outros julgam existir. Vê bem se isso que achas que és tem alguma forma ou característica objectiva, que seja mais do que uma construção mental."

Alberta Marques Fernandes

"Só somos insubstituíveis no coração de quem nos ama"

Mantras

【São Francisco de Assis】➤ Quando não há nada mais a ser dito, silencia. Quando não há mais nada a ser feito, permitas apenas ser, apenas estar e fica na companhia do teu Coração e este indicará o momento apropriado para agires.

【Paulo Coelho】➤ Há que lutar pelos sonhos, mas há que saber também quando certos caminhos se mostram impossíveis é melhor guardar as energias para percorrer outras estradas.

LadyDi 20 anos depois


1 de Setembro, o teu dia para Sempre Vóvó

As saudades sufocam. A cada ano que passa mais orgulho tenho em ti, mais quero ter a tua garra, o teu carinho nas atitudes, o teu gosto em cozinhar para nos mimar, a justiça que te era fiel. Vóvó, pelas tuas palavras, pelas mil e uma histórias, pela sabedoria das palavras certas, pela humildade, pelo sexto sentido apuradisdimo, pela retidão, pela poder da união, pelo silêncio acolhedor e por tanto que descubro de ti mesmo não te vendo, serei sempre grata por seres a minha Vóvó. Saudades 

aproveitar a vida

Estou aqui numa casinha, num sítio longe da minha casa mesmo. Da minha cama, pela janela, só vejo duas paredes: uma posta de uma determinada maneira e outra posta de outra maneira. São feias, estão sujas e nelas bate sombra. E pronto. Tudo o que é muito bonito, ou quase bonito, parece obrigar a fazer alguma coisa, nem que seja andar por aí a dar valor, ou a aproveitar. Mas assim posso perdoar-me, descansar, por finalmente viver apenas do que há dentro de mim.
Essa coisa horrorosa do 'aproveitar a vida' no sentido em que se diz. Como se a vida fosse não sei quê e fosse esse não sei quê que devêssemos aproveitar.

lobo sem capuchinho


as Pessoas

"Durante a nossa vida:
Conhecemos pessoas que vêm e que ficam,
Outras que vêm e passam.
Existem aquelas que,
Vêm, ficam e depois de algum tempo se vão.
Mas existem aquelas que vêm e se vão com uma enorme vontade de ficar..."

Das relações humanas

"As pessoas conscientes e maduras compartilham a sua plenitude, não trazem sombras de egoísmo, nem vazios que outros devam preencher.

Os relacionamentos maduros se cuidam e, por sua vez, permitem que cada um considere o seu próprio crescimento, sentindo-se livre e sendo, ao mesmo tempo, parte de um projeto em comum."

MEC


«Um dia somei tudo o que faço para depois não me sentir culpado a tudo aquilo que faço para tentar suavizar as culpas que já sinto e o resultado foi todo o tempo que tenho.»

«dar às coisas a importância que realmente têm»

... três premissas importantes a seguir:

Saber avaliar os acontecimentos com uma visão ampla – Ter inteligência emocional para avaliar a situação no seu todo e de longe e não apenas um determinado episódio negativo.

Desdramatizar – Evitar converter um problema real num drama.

Ter uma reação proporcional ao acontecimento – para isso há que recorrer à aprendizagem ganha com a experiência de vida, um saber acumulado que foi sendo depositado ao longo da sua história e que lhe permite perceber a real importância das coisas e a reagir em conformidade.

Enrique Rojas


AS

"Felicidade ou paz nós as construímos ou destruímos; aqui, o nosso livre-arbítrio supera a fatalidade do mundo físico e do mundo do proceder; toda a experiência que vamos tendo, mesmo parecendo negativa, a podemos transformar em positiva" 

- Agostinho da Silva, Só Ajustamentos

da desilusão com cada vez mais

'A forma como as pessoas nos tratam é o Karma delas. A forma como reagimos é o nosso.'

Dalai Lama

dia da criança de cada um

"Mais que tudo quero ter
Pé bem firme em leve dança
Com todo o saber de adulto
Todo o brincar de criança"

~ Agostinho da Silva

Alimentar o Amor

Começar é fácil. Acabar é mais fácil ainda. Chega-se sempre à primeira frase, ao primeiro número da revista, ao primeiro mês de amor. Cada começo é uma mudança e o coração humano vicia-se em mudar. Vicia-se na novidade do arranque, do início, da inauguração, da primeira linha na página branca, da luz e do barulho das portas a abrir. 
Começar é fácil. Acabar é mais fácil ainda. Por isso respeito cada vez menos estas actividades. Aprendi que o mais natural é criar e o mais difícil de tudo é continuar. A actividade que eu mais amo e respeito é a actividade de manter. 
Em Portugal quase tudo se resume a começos e a encerramentos. Arranca-se com qualquer coisa, de qualquer maneira, com todo o aparato. À mínima comichão aparece uma «iniciativa», que depois não tem prosseguimento ou perseverança e cai no esquecimento. Nem damos pela morte. 
É por isso que eu hoje respeito mais os continuadores que os criadores. Criadores não nos faltam. Chefes não nos faltam. Faltam-nos continuadores. Faltam-nos tenentes. Heróis não nos faltam. Faltam-nos guardiões. 

É como no amor. A manutenção do amor exige um cuidado maior. Qualquer palerma se apaixona, mas é preciso paciência para fazer perdurar uma paixão. O esforço de fazer continuar no tempo coisas que se julgam boas — sejam amores ou tradições, monumentos ou amizades — é o que distingue os seres humanos. O nascimento e a morte não têm valor — são os fados da animalidade. Procriar é bestial. O que é lindo é educar. 
Estou um pouco farto de revolucionários. Sei do que falo porque eu próprio sou revolucionário. Como toda a gente. Mudo quando posso e, apesar dos meus princípios, não suporto a autoridade. 

É tão fácil ser rebelde. Pica tão bem ser irreverente. Criar é tão giro. As pessoas adoram um gozão, um malcriado, um aventureiro. É o que eu sou. Estas crónicas provam-no. Mas queria que mostrassem também que não é isso que eu prezo e que não é só isso que eu sou. 
Se eu fosse forte, seria um verdadeiro conservador. Mudar é um instinto animal. Conservar, porque vai contra a natureza, é que é humano. Gosto mais de quem desenterra do que de quem planta. Gosto mais do arqueólogo do que do arquitecto. Gosto de académicos, de coleccionadores, de bibliotecários, de antologistas, de jardineiros. 

Percebo hoje a razão por que Auden disse que qualquer casamento duradoiro é mais apaixonante do que a mais acesa das paixões. Guardar é um trabalho custoso. As coisas têm uma tendência horrível para morrer. Salvá-las desse destino é a coisa mais bonita que se pode fazer. Haverá verbo mais bonito do que «salvaguardar»? É fácil uma pessoa bater com a porta, zangar-se e ir embora. O que é difícil é ficar. Isto ensinou-me o amor da minha vida, rapariga de esquerda, a mim, rapaz conservador. É por esta e por outras que eu lhe dedico este livro, que escrevi à sombra dela. 
Preservar é defender a alma do ataque da matéria e da animalidade. Deixadas sozinhas, as coisas amarelecem, apodrecem e morrem. Não há nada mais fácil do que esquecer o que já não existe. Começar do zero, ao contrário do que sempre pretenderam todos os revolucionários do mundo, é gratuito. Faz com que não seja preciso estudar, aprender, respeitar, absorver, continuar. Criar é fácil. As obras de arte criam-se como as galinhas. O difícil é continuar. 

Miguel Esteves Cardoso, in 'As Minhas Aventuras na República Portuguesa'